Com novo lockdown anunciado pela prefeitura que começou a vigorar no último sábado (31), Canudos, cidade localizada no oeste da Bahia, está de volta à situação que esteve em maio, quando os efeitos da pandemia do novo coronavírus eram evidentes na Bahia e o termo lockdown ganhou o conhecimento dos baianos e a aplicação dos gestores municipais.

A decisão acontece após a descoberta de 25 novos registros de pessoas infectadas pelo vírus na última semana, número que assustou a gestão municipal. Para se ter ideia, a cidade, que chegou a ficar com número de casos zerado e seguiu assim até o dia 24 de outubro, segundo informações da prefeitura, registrou 25 novos casos, que estão ativos, em menos de uma semana, sendo que, em oito meses, Canudos registrou 166 casos de covid-19.

Diferente da primeira execução da medida de alta restrição, Canudos não é mais um dos municípios que adotaram o lockdown e, sim, a única cidade em que a prática está em vigor.

De acordo com moradores e gestão municipal, o motivo para que o local voltasse a conviver com essa realidade são as constantes aglomerações em eventos de candidatos que cobiçam os cargos de vereador e prefeito na próxima eleição, que acontece no dia 15 de novembro.

Comícios, carreatas e passeatas têm feito com que os cidadãos ignorem as restrições sanitárias que ainda estão em vigor por conta do cenário pandêmico que o Brasil, a Bahia e Canudos ainda vivem.

Aglomerações eleitorais
Para a professora Aline Dias, 33 anos, que reside em Canudos, o período de campanhas eleitorais não faz com que as regras de distanciamento social e uso de máscara sejam desrespeitadas. De acordo com ela, com o início dos eventos políticos, veio a sensação de inexistência da pandemia e dos cuidados que ela demanda da população.

"Antes do período eleitoral, não tinha muita aglomeração. Mas, nessa época, os ânimos foram aquecidos e parece que muitos esqueceram do vírus, infelizmente", diz a professora que afirma que, no período que antecedeu os comícios e as passeatas, a cidade chegou a um estado de normalização das atividades com o comércio e outros estabelecimentos voltando a funcionar sem que isso acarretasse em uma contaminação em massa.

Aline diz ainda que não faltam recomendações para respeito das medidas de prevenção por parte da gestão atual. Orientações que são prontamente ignoradas por boa parte da população que não usa máscara, aglomera e, quase sempre, ignora o distanciamento social.

"Uma boa parte da população compreende e respeita as restrições, mas outra parte é resistente e acaba causando aglomerações. Apesar dos decretos, dos pedidos do prefeito e órgãos competentes, muitas pessoas descumprem as restrições e acabam saindo de seus lares e pior, sem máscaras", relata.

Não é só a professora que tem a percepção de que a campanha eleitoral é o principal motivo para que o descaso com as medidas de prevenção e o, consequente, aumento do número de casos nas últimas semanas. "As pessoas estão se aglomerando nos bares, restaurantes e pizzarias sem fazer uso de máscaras. E, depois do início da campanha eleitoral, a coisa piorou porque as pessoas estão fazendo arrastões com grupos jovens", afirma a servidora pública Adriana Fontes, 45.

Medidas necessárias
O problema com as consequências das campanhas eleitorais que arrastam multidões pela cidade já fez com que a prefeitura se movimentasse para que isto não acarretasse em uma nova onda de casos em Canudos.

Antes mesmo do lockdown, a gestão procurou o tribunal de justiça eleitoral para solicitar o acompanhamento da situação do município e a aplicação de multas aos candidatos que desrepeitassem as normas.

Sem muito resultado no movimento dentro da cidade, a prefeitura decidiu então voltar a fazer lockdown para evitar o pior. Isso é o que garante Genário Rabelo, prefeito de Canudos.

"O aumento do número de casos confirmados de coronavírus é resultado exclusivo das campanhas eleitorais. Nas ruas da cidade, tem sido comum ver pessoas desrespeitando as recomendações sanitárias pra participar de comícios, passeatas. Nós tínhamos chegado a zerar os casos ativos e, em pouco tempo, tivemos esse aumento do número de casos que nos assustou. Por isso, tomamos atitudes para conter essa transmissão comunitária que detectamos", explicou o prefeito, que afirma que os novos infectados são policiais militares, profissionais da área de saúde, comerciantes e de outras profissões que estão em constante contato com a população.

A secretária municipal de saúde Chirleide Ferreira endossou a fala de Genário e declarou que o início da medida foi decidido de maneira estratégica para que o feriado prolongado não aumentasse as aglomerações em Canudos.

"Temos um número preocupante de casos. O lockdown acontece no intuito de tentar mais uma vez diminuir e também zerar os ativos como zeramos os casos no município anteriormente. A necessidade da medida também levou em conta o fim de semana prolongado, quando podíamos sofrer uma alta ainda maior", diz Chirleide, que também informou que a prefeitura aproveitou o lockdown para higienização das ruas e avenidas da cidade e setores públicos da administração pública.

Fonte: Correio 24 Horas