Campos Neto reiterou que o BC vê espaço para mais um corte de 0,5 ponto da taxa básica de juros este ano.

O presidente do Banco Central, Campos Neto, durante audiência pública na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados Cleia Viana/Câmara dos Deputados Os juros na ponta (para o tomador do empréstimo) não caíram como o desejado pelo Banco Central em 90% da massa de crédito, avaliou nesta sexta-feira (8) o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, em evento organizado pela Embaixada da Itália em São Paulo. Campos Neto voltou a dizer que, para que isso ocorra, é preciso que o país resolva o problema de informação assimétrica.

Ela será removida, na visão do presidente do BC, com a implementação do chamado open banking (compartilhamento de informações financeiras dos usuários), que dará aos clientes de bancos o poder sobre seus dados financeiros Ele também afirmou ser necessário melhorar a questão das garantias nos empréstimos, uma vez que a recuperação de crédito no país é baixa e demorada.

Quanto à política monetária, Campos Neto reiterou em seu discurso que o BC vê espaço para mais um corte de 0,5 ponto da taxa básica de juros este ano, após ter feito uma redução desta magnitude na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em outubro.

Atualmente, a Selic está na mínima histórica de 5%.

Presidente do BC promete medidas para baixar juros do cheque especial